ūüö® Pol√≠cia ingl√™s condenado por crimes de abuso sexual tinha detalhes de mais de 700 mulheres no telem√≥vel

Adam Provan, um antigo agente da Pol√≠cia Metropolitana de Londres, foi condenado a 16 anos de pris√£o por crimes de abuso sexual. No seu telem√≥vel, foram encontrados 751 contactos de mulheres, alguns acompanhados por detalhes que sugeriam atividade sexual com elas. Dos mais de 700 contactos, apenas 50 tinham n√ļmeros de telem√≥vel associados. Estes contactos est√£o agora a ser analisados para identificar o maior n√ļmero poss√≠vel de mulheres. O tribunal revelou que muitas destas mulheres s√£o jovens, o que indica um “fasc√≠nio quase obsessivo” de Adam Provan por mulheres mais novas. O antigo agente tamb√©m consumia pornografia adolescente.

As alega√ß√Ķes de m√° conduta sexual de Adam Provan remontam aos anos 90, mas s√≥ em 2018 foi considerado culpado de violar uma adolescente de 16 anos, que conheceu num encontro √†s cegas em 2010, e a quem mentiu sobre a sua idade. Na altura, foi condenado a nove anos de pris√£o e foi despedido da Pol√≠cia Metropolitana de Londres. No entanto, conseguiu recorrer da sua condena√ß√£o e o seu caso foi adiado para um terceiro julgamento.

Este artigo relata o caso de Adam Provan, um antigo agente da Pol√≠cia Metropolitana de Londres condenado a 16 anos de pris√£o por abuso sexual. O texto destaca que Provan tinha registado no seu telem√≥vel 751 contactos de mulheres, sendo que apenas 50 tinham n√ļmeros de telem√≥vel associados. O objetivo agora √© identificar o maior n√ļmero poss√≠vel de mulheres atrav√©s destes contactos. O tribunal salienta que muitas das mulheres s√£o jovens, revelando um “fasc√≠nio quase obsessivo” de Provan por mulheres mais novas. Al√©m disso, √© mencionado que o antigo agente tamb√©m consumia pornografia adolescente. O artigo tamb√©m menciona as alega√ß√Ķes de m√° conduta sexual de Provan desde os anos 90, sendo que em 2018 foi considerado culpado de violar uma adolescente de 16 anos. No entanto, conseguiu recorrer da sua condena√ß√£o e o caso foi adiado para um terceiro julgamento.

Fonte