ūüéĀ 20 mil professores do privado v√£o receber pr√©mio contra a infla√ß√£o Esta √© uma √≥tima not√≠cia para os 20 mil professores do setor privado em Portugal! Em meio √† preocupa√ß√£o com a infla√ß√£o, eles receber√£o um merecido pr√©mio para ajudar a combater o aumento dos pre√ßos. √Č uma conquista importante para a classe dos educadores, que desempenha um papel fundamental na forma√ß√£o das futuras gera√ß√Ķes. O pr√©mio reconhece o seu trabalho √°rduo e dedica√ß√£o, e certamente trar√° al√≠vio financeiro para esses profissionais. Uma medida que valoriza a educa√ß√£o e o empenho dos professores, garantindo assim um futuro promissor para o pa√≠s.

Cerca de 20 mil professores do ensino privado em Portugal receber√£o um pr√™mio a partir de setembro para compensar a infla√ß√£o do √ļltimo ano. Esse benef√≠cio, negociado entre a Confedera√ß√£o Nacional da Educa√ß√£o e Forma√ß√£o (CNEF) e os sindicatos da UGT, corresponder√°, em m√©dia, a 4% da remunera√ß√£o anual e ser√° direcionado aos docentes do ensino n√£o superior, ou seja, at√© o 12¬ļ ano. N√£o h√° uma data fixa para o pagamento desse apoio, pois cada escola poder√° definir seu pr√≥prio cronograma. O benef√≠cio poder√° ser pago em parcelas, se assim for decidido. A Federa√ß√£o Nacional da Educa√ß√£o (FNE) informou que o benef√≠cio dever√° ser pago at√© 31 de agosto de 2024, mas algumas escolas estar√£o dispensadas dessa obrigatoriedade. Essas institui√ß√Ķes incluem aquelas que anteciparem as novas tabelas salariais negociadas no √Ęmbito da revis√£o do contrato coletivo de trabalho, bem como aquelas que j√° remuneram seus docentes com sal√°rios iguais ou superiores aos determinados nas tabelas m√≠nimas em vigor. No caso de escolas dependentes de financiamento do Estado, se este n√£o for atualizado em pelo menos 4%, o benef√≠cio extraordin√°rio n√£o ser√° dado na forma de apoio financeiro, mas sim na forma de dias de f√©rias adicionais ou antecipa√ß√£o de progress√£o na carreira. Al√©m desse benef√≠cio, foram acordados aumentos salariais para os pr√≥ximos anos, com um aumento m√©dio global de 6,58% para o setor privado da educa√ß√£o. Essa negocia√ß√£o foi considerada dif√≠cil devido √† diversidade de poderio financeiro das escolas do setor. A CNEF defende uma indexa√ß√£o das verbas atribu√≠das √† evolu√ß√£o dos pre√ßos, mas ainda aguarda resposta do Governo. A FNE tamb√©m menciona o congelamento do financiamento do Estado como um obst√°culo para a melhoria das condi√ß√Ķes remunerat√≥rias dos docentes. A CNEF √© composta por v√°rias associa√ß√Ķes, incluindo a Associa√ß√£o de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo, a Associa√ß√£o Nacional de Escolas Profissionais e a Associa√ß√£o Portuguesa de Escolas Cat√≥licas.

Fonte